Sábado, 26 de Outubro de 2013

Precisamente desta maneira, mais ou menos

A flor é doce e ferrenha;
Dorme sobre a terra.
Quando foi a minha vez eu fiz errado
Nunca foi minha vez
Toda vez
Nenhuma vez
Em vez
Em vez de nada
Em vez de coisa nenhuma
A cigarra canta
A bateria toca
Os sândalos giram
Os vândalos piram
A verdadeira face
Sempre perdida
– perdida! –
Se mostra, sem pudor
Sem medo
Sem glória
Sem a menor importância
Sob o som do alaúde
– que virtude! –
Sobre o som da amargura
– que paúra! –
Sobre a vida e a morte
Se mostra, e se vai.

É a plantinha miserável
O broto indizível
Irrisório
Invisível
Compulsório
Irascível
Levado pelo berro do lobo
Tragado no consolo do belo
Pensado na cabeça do moço
A fuga de tudo o que é saudável e próprio
O abraço mortal da Catarina
A dança alucinatória da menina
Nada, nada é de propósito
Foi só o acaso do intento
O vento que embala a centelha
Vermelha, contida, perversa
Dispersa, sofrida, finita.

tags:
publicado por Anarco-Absolutista às 07:17
link do post | favorito
De Godoy Cruz a 26 de Outubro de 2013 às 19:27
Precisamente desta maneira, mais ou menos, só que não
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

.mais sobre mim

.pesquisar

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Ode oito mil

. Uma história de decadênci...

. A Torre de Réaumur, uma e...

. Uma frivolidade semi-arca...

. Da fulminante e providenc...

. Uma pequena verborragia p...

. #9

. Da reação diante da visão...

. Precisamente desta maneir...

. A análise semântica do úl...

. #5

. Canção fugaz e sem import...

. Da gloriosa e peculiar ap...

. Uma primeira observação

. A Revelação de Míster-Qua...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Agosto 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds