Quinta-feira, 20 de Março de 2014

Da fulminante e providencial víscera de Ptolomeu, sine qua non

Ditas aquelas palavras de dúbio encorajamento, Evaristo, Ermenegildo e Eratóstenes desceram a verdejante colina em direção ao locus das festividades de equinócio. Desfrutaram em silêncio do banquete e da música por alguns minutos. Subitamente, uma suave e firme voz emanou de trás dos três magos.

"Vossa empreitada é nobre, mas fadada ao fracasso."

Os três viraram-se imediatamente. "O quê?", disse Evaristo.

"O Método", prosseguiu a voz, que pertencia a uma menina. "É uma medida desesperada, altamente falível e pouco eficiente, em circunstâncias normais."

"Quem és?", disse Eratóstenes. "Como sabes o que pretendemos? Como sabes a respeito do Método? És muito jovem para tais conhecimentos.

"Tenho precisamente a idade que preciso ter", replicou a menina. Os sábios, estupefatos e incertos acerca do significado de tal proposição, preferiram não questioná-la.

"E o que queres dizer com 'em circunstâncias normais'?", prosseguiu Evaristo.

"Quero dizer, obviamente, que precisamos criar circunstâncias anormais", respondeu a jovem, com uma expressão de profunda impaciência no rosto.

"'Precisamos'? Que parte tens nisso, ó, magnânimo ente, qual seja o nome pelo qual atendes?"

"A resposta, para mim que se auto-intitula Kira, é não-trivial, e mais facilmente demonstrada em toda sua glória do que descrita pelos pobres vocábulos do linguajar terreno. Vinde e mostrar-vos-ei!", disse a menina, e dirigiu-se para as bordas da citadela sem olhar para trás. Os três sábios a seguiram.

Depois de dez minutos de caminhada, chegaram a uma pequena construção de pedra. A menina abriu a porta e entrou sem qualquer cerimônia. Os sábios a seguiram. Kira entrou em um cômodo auxiliar. "Aguardai", disse. Brevemente, retornou ao salão principal portando uma caixa de pedra gravada com inscrições cuneiformes e pictogramas. "Acho que não se fazem necessárias maiores explicações", disse.

Os três, após um segundo de silêncio ante tamanha surpresa, exclamaram em uníssono: "A víscera de Ptolomeu!"

A menina esboçou um sorriso pela primeira vez desde o princípio da interação. Os sábios, afinal, sabiam alguma coisa.

"Precisamente", disse. Evaristo ergueu a tampa da caixa, e lá estava não outra coisa senão a mui lendária e elegante víscera, em toda sua pompa. Constatando a veracidade da relíquia, Evaristo pôs-se a recitar ciclicamente as antigas sílabas de pujança etérea, as quais Ermenegildo, Eratóstenes e Kira puseram-se a repetir, com um, dois, três versos de atraso, respectivamente:

"Muilarenda hwirkelende
Kaldaresta maigwerende
Skaldaranta nirmenasta
Faldamanda twirkelasta"

Ao final da oitava repetição da poderosa estrofe, a caixa tomou um branco incandescente, ergueu-se no ar, e preencheu a sala em um clarão ofuscante. Os quatro seguiram recitando em um tom mais alto, até que luz e som gradativamente esmaeceram-se, esmaeceram-se, e em uns poucos instantes a sala fez-se perfeitamente escura e silenciosa, e não mais havia nem caixa, nem sábios, nem menina, nem coisa nenhuma.

publicado por Anarco-Absolutista às 01:40
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

.mais sobre mim

.pesquisar

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Ode oito mil

. Uma história de decadênci...

. A Torre de Réaumur, uma e...

. Uma frivolidade semi-arca...

. Da fulminante e providenc...

. Uma pequena verborragia p...

. #9

. Da reação diante da visão...

. Precisamente desta maneir...

. A análise semântica do úl...

. #5

. Canção fugaz e sem import...

. Da gloriosa e peculiar ap...

. Uma primeira observação

. A Revelação de Míster-Qua...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Agosto 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds