Sábado, 17 de Maio de 2014

Uma frivolidade semi-arcaica

(Encontrei o que segue em um caderno velho, enquanto procurava papel de rascunho.)

Uma vez eu era um caderno. E a menina grafava furiosamente os mais ricos dizeres, sob a ortografia de 43. A nova ideologia do rei! O torpe fôlego que move o mundo! Poderia me escrever uma anarquista, mas não. Deita-me caracteres a leve mão de uma democrata. Uff!

Um dia vou ser minha própria caneta. Vou dizer tudo o que eu penso com o mais puro vigor. E ai daquele que tentar me dissuadir, ai dele! Visitar-lhe-á a própria morte.

Sou a corrente que segura a noite. Sou a fria estrela branca. Que é que eu sei dessas coisas? Eu sei da vida. A vida! A própria vida. A vida que traz e que leva, a vida que vem e que vai. Que é que há para saber? E no entanto ela se move.

Espero o ônibus sentado na vida. Se deus é a chama que se acende em partes e se apaga em partes, o ônibus é o antagonista magno do calor, é sua análise. Análise é o contrário da catálise.

Katharevousa. Eles clamitavam o nome do santo. Mal sabiam eles que o santo era um caderno.

tags:
publicado por Anarco-Absolutista às 04:42
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Ode oito mil

. Uma história de decadênci...

. A Torre de Réaumur, uma e...

. Uma frivolidade semi-arca...

. Da fulminante e providenc...

. Uma pequena verborragia p...

. #9

. Da reação diante da visão...

. Precisamente desta maneir...

. A análise semântica do úl...

. #5

. Canção fugaz e sem import...

. Da gloriosa e peculiar ap...

. Uma primeira observação

. A Revelação de Míster-Qua...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Agosto 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds